sexta-feira, 6 de março de 2009

A MULHER*

Deus num sono único, especial
Sonhou o belo, cheio de ternura
Criatividade da mais tenra candura
Que torna alegre a vida matinal.

Foi um sonho maravilhoso,
Concretizado na sua criação
Se tornou a mais feliz invenção
De incrível furor brilhoso.

Surgiu de repente, da mente do criador
A criatura, inteligente, meiga, perfeita
Chamada mulher, a ser eleita
A tradução mais estreita do amor.

E com isso o mundo sorriu,
Com a mulher surge a vida,
Com amor, carinho e paciência tímida
A mulher a harmonia instituiu.

Como um sol iluminando a escuridão
É com elas que a luz se torna intensa
Por isso, a força delas é imensa
Porque elas superam a razão.

Muitas delas vivem a dor e o medo
Oprimidas, não são bem amadas
Têm suas liberdades tomadas
Mas não perdem o segredo:

De serem grandes lutadoras,
De não aceitar sua submissão,
De viver à margem da nação
Como se fossem amadoras.

São guerreiras, grandes revolucionárias
No sertão, nas cidades, nas ruas
Gritam contra as contradições cruas
E as desigualdades são contrárias.

Corajosas, seguras, audazes
Conquistam espaços, abrem caminhos
E no mundo deixam os carinhos
Da ternura dizendo que são capazes.

Ser mulher é graça divina
É ter nascido para a vocação
Da duradoura e nobre missão
Que humaniza, direciona, ilumina.

Deus num sonho, único, imenso
Fez nascer a grande riqueza
Chamada mulher, certeza
Da esperança, da persistência, do alento।


Autor: Mário Henrique Lopes Moura


*Publicado no Jornal da Família. Lisboa/Portugal, março de 2007, capa.