quarta-feira, 8 de junho de 2011

Brasil Varonil

Brasil varonil,
de verdades mil
de milhões, com os pés no chão
na morada pobreza.

Brasil varonil,
de verdades mil
onde milhões, com o coração na mão
não têm água e pão.

Brasil varonil
de verdades mil
onde milhões, de construção em construção
vivem na solidão.

Brasil varonil,
de verdades mil
onde milhões, vivem no concreto
em uma nação de futuro incerto.

Brasil varonil,
de verdades mil
onde milhões, buscam nos lixões
uma saída para as suas aflições.

Brasil varonil,
de verdades mil
onde milhões, sem compaixão
mancham o brado retumbante da nação.

Brasil varonil,
de verdades mil
onde os poucos que tem
vivem sem imaginar o que é ser um João-ninguém.

Autoria: Mário Moura

Publicado em:
Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos. 39 volume. 1 ed. Rio de Janeiro: CBJE, set 2007 (p. 49).