segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

QUE NO ANO-NOVO QUE SE APROXIMA, ACIMA DE TUDO, IRROMPA A NOSSA HUMANIDADE.


2012 chega ao fim e com ele a esperança de um 2013 melhor.

Mesmo com toda a infelicidade que nos ronda: ocupações genocidas na Palestina e no Afeganistão, sob a égide imperialista-capitalista e tutela dos norte americanos; dos colóquios que salvam a lucratividade em detrimento da sustentabilidade, reforçando a exploração irracional dos recursos naturais da nossa Casa Comum - o Planeta Terra -; as milhões de crianças que passam fome na África; a seca que atinge o nordeste brasileiro; a violência; a corrupção..., dos bilhões de "condenados da Terra", expropriados de uma vida digna, excluídos pelo deus-mercado, que só enxerga no poder ter, o alcance da felicidade plena (vide os anúncios com suas propagandas irrecusáveis), podemos ainda desejar o melhor. Mesmo que seja por omissão ou opção somos os responsáveis pela falta de felicidade. Porém, podemos a partir dessa experiência, tirar a motivação para superarmos essa realidade e buscarmos "um outro mundo possível".

O Ano só será novo de fato, se o velho que reside em nós e a nossa volta seja vencido. Se tivermos a coragem de irromper o que há mais de humano na gente: o amor, a compaixão, o cuidado, a ternura e o compromisso para com nosso próximo e a vida em todas as suas dimensões, engravidar-se de nós mesmos, revirarmos tudo pelo avesso e aí sim, "sentir os gritos dos famintos, o gemido da Mãe Terra, a dor das florestas abatidas e a devastação atual da biodiversidade." (Leonardo Boff).

Paz e Bem
Mário Moura.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Que no Natal a eterna criança em nós, reviva a esperança do Reino de Deus!

Foto: http://gomaearte.arteblog.com.br/29128/Presepio-Artesanal/

Com o nascimento de Jesus, Deus se encarna e se humaniza. O Deus-Conosco, vem e surge como uma criança.


Que nesta Festa, sejamos sensíveis a experiência de Deus como Pai com características de mãe, o amor incondicional, a misericórdia e a entrega radical a promoção do Reino de Deus, sejam o nosso sonho, projeto de mundo e de vida...



Que todos nós possamos olhar com os olhos do coração e a esperança não pereça, pois, precisamos dela nesse mundo tão racional, frio, consumista, individualista, materialista; onde milhões passam fome, sem casa, emprego, vidas dignas...

Que a Estrela de Belém nos mostre o caminho e nos faça (re) encontrar com o Emanuel e com a criança que mora dentro de nós...

"Ele é a eterna criança, o Deus que faltava. Ele é o divino que sorri e que brinca. É a criança tão humana que é divina”.

É com essa frase do poeta português Fernando Pessoa, que finalizo meu desejo natalino a todos.

Paz e Bem!

Mário Moura